Diferenças Entre Compulsão Alimentar E Comer Emocional

Diferenças entre Compulsão Alimentar e Comer Emocional Foto: Freepik
Diferenças entre Compulsão Alimentar e Comer Emocional Foto: Freepik

São Paulo, 07 de abril de 2023, por Psicóloga Fabíola – Apesar da similaridade, compulsão alimentar e comer emocional possuem diferenças. E hoje convidamos você a ler esse conteúdo a fim de reconhecê-las como também saber como buscar um tratamento específico e assertivo.

Em algumas situações difíceis na vida temos uma enorme vontade de descarregar toda a angústia que sentimos na comida.

Talvez, você já tenha comido para se sentir melhor ou para aliviar uma dor. E, provavelmente após esse episódio, se depara com a dura realidade de que nada melhorou ou até piorou.

Também recorre (ou já recorreu) a um doce de forma exagerada quando se encontra triste, desanimada ou chateada.  

Certamente, muitos de nós utilizamos esse mecanismo de escape eventualmente para diminuir a tensão, a ansiedade, o estresse, entre outras emoções incômodas.  

Logo, podemos cometer exageros em comer que acabam prejudicando a nossa saúde não apenas física, mas emocional também. 

Por isso, entender a diferença entre Compulsão Alimentar e Comer Emocional o ajudará a detectar os gatilhos. E, assim, tratar de forma correta, consequentemente, obtendo resultado significativo.  

Portanto, saiba mais detalhes a respeito de cada um, identifique-os e descubra como ter um Tratamento Especializado.

O Que É Transtorno De Compulsão Alimentar?

O Transtorno de Compulsão Alimentar é um Transtorno Alimentar. Logo, um desequilíbrio na sua relação com a alimentação. Neste quadro clínico existem muitos episódios compulsivos e sofrimento por conta deles. 

Assim sendo, a compulsão alimentar envolve uma grande quantidade de ingestão de comida em um curto período de tempo e com a sensação de perda de controle sobre a alimentação. Então, o paciente diagnosticado com Compulsão Alimentar passará por essas crises com frequência. Podendo melhorar ou piorar de acordo com o momento de vida.

Portanto, se habitualmente você passa por crises em que acaba perdendo o controle sobre a alimentção, comendo uma quantidade exagerada e se sentindo culpada ou arrependida depois, é importante avaliação diagnóstica para o Transtorno de Compulsão Alimentar.

Uma das características de um Transtorno Alimentar é também a preocupação excessiva e hipervalorização do peso e imagem corporal.  Então, a combinação desses fatores pode indicar um sinal de alerta.

Saiba mais: Transtorno de Compulsão Alimentar 

Episódios Compulsivos Foto: Freepik
Episódios Compulsivos Foto: Freepik

O Que é Episódio Compulsivo?

O Episódio Compulsivo está presente na Compulsão Alimentar, tendo características semelhantes. A diferença entre eles é que uma pessoa pode apresentar apenas episódios compulsivos isolados, sem que necessariamente, tenha o diagnóstico de Compulsão Alimentar.

Seria como apresentar um sintoma de uma doença, mas não fechar critérios diagnósticos suficientes para ser considerado portador desta doença. 

Apesar disso, o sofrimento é muito grande, mas o prognóstico pode ser diferente.

Assim sendo, o episódio compulsivo é um momento impetuoso, onde é possível consumir uma grande quantidade de comida com grande voracidade. Também pode estar relacionado a falta de controle e dificuldade de parar.

Muitas vezes, os episódios compulsivos são meios para aliviar uma emoção, sensação ruim ou acabar com um desconforto.

Como Identificar os Episódios Compulsivos?

Algumas características devem ser avaliadas para um episódio compulsivo, tais como: 

  • Comer quantidades muito maiores do que o habitual de comida;
  • Ultrapassa o limite de estar satisfeito ao comer e, algumas vezes, sente até dor por ter se excedido. Também come mesmo sem sentir fome;
  • Faz uma refeição muito mais rápido do que o normal, sem mastigar bem os alimentos durante os episódios;
  • Sensação de perda de controle;
  • Só conseguir parar quando o alimento chega ao fim;
  • Não prestar atenção do que está comendo
  • Come escondido ou esconde comida para se saciar depois em segredo;
  • Sente-se envergonhado ou confuso durante ou após episódios.

A frequência, intensidade e histórico do paciente são determinantes para diferenciar um Transtorno de Compulsão Alimentar, de um paciente que esteja apresentando episódios compulsivos pontualmente. Por isso, buscar avaliação e tratamento especializado é imprescindível.

O Que é Comer Emocional?

Comer emocional ou fome emocional é a procura pela comida como resposta às emoções.  Logo, toda vez que nos sentimos ansiosos, desanimados, irritados, tristes ou qualquer que seja a emoção recorremos à comida.

Desse modo, a comida se torna um escape para evitar emoções desconfortáveis ou quando não sabemos o que fazer diante de uma emoção difícil de administrar.

Então, simplificando, comer emocional significa comer para mudar a maneira como nos sentimos emocionalmente, em vez de saciar a fome física. 

Por exemplo, você já notou se quando algum problema toma sua atenção ou está sob forte estresse emocinal, você repentinamente sente vontade de comer algo que te apetece? 

Comer Emocional Foto: Freepik
Comer Emocional Foto: Freepik

Isso acontece porque muitas vezes buscamos conforto quando estamos vulneráveis, mobilizados por alguma emoção e não sabemos como gerenciar a situação.

E esse é apenas um exemplo, mas há muitos outros que mostram o comer emocional assumindo o controle. O importante é que você comece a se monitorar para perceber o seu comportamento diante da alimentação.

Existem milhares de maneiras de ativar o Comer Emocional e o objetivo é compreender como isso acontece com você.

Em cada caso, há um gatilho situacional, e a comida é a resposta para tentar acalmar, esquivar ou amenizar. 

Aparenta ser simples, mas ao mesmo tempo é tão complexo. Isso porque é mais costumeiro manter o hábito de se “aliviar” na alimentação, em contrapartida não desenvolvemos o hábito de perceber nossas emoções. 

Parece que você é acionado pela comida, mas na verdade é acionado por alguma emoção, situação, sensação corporal ou pensamento que então te conduz diretamente à comida.

Concluindo, comer emocional não é um Transtorno Alimentar. É um comportamento alimentar problemático, caracterizado pela ingestão de alimentos por outras razões que não sejam fome física. 

Leia também: Fome Emocional – Vilã No Emagrecimento 

Quais as Diferenças entre Compulsão Alimentar e Comer Emocional?

Até agora, você já descobriu o que são Episódios Compulsivos,  Transtorno de Compulsão Alimentar e Comer Emocional. Então, compreende os mecanismos que cada um exerce.

Assim, o Comer Emocional abrange qualquer alimentação realizada por conta das suas emoções. Então, se você usa a comida como forma de lidar com as dificuldades da vida ou com seu mundo emocional, provavelmente, ele estará presente.

Já o Transtorno de Compulsão Alimentar se trata de um Transtorno Alimentar. Segue critérios diagnósticos específicos e é diagnosticado mediante histórico de vida do paciente, intensidade e frequência dos sintomas.

Portanto, uma pessoa com Compulsão Alimentar provavelmente vivencia episódios de Comer Emocional. Já uma pessoa que sofra com Comer Emocional não necessariamente apresenta Compulsão Alimentar. 

Apesar da similaridade, há diferenças entre os dois. E aqui estão algumas delas para você saber identificar cada um: 

Comer Emocional 

  1. Consome mais alimentos do que o habitual em resposta a emoções negativas;
  2. Geralmente, ligado a sentimentos dolorosos, sensações desconfortáveis, ebora também possa acontecer em momentos de comemoração. Logo, tem mais a ver com emoções que com a comida em si;
  3. Um meio de fuga, de escape para aliviar a angústia ou dar uma pausa no sofrimento;
  4. Rotina de alimentação desordenada, porém, não há descontrole, necessariamente.

Compulsão Alimentar

  1. Episódios Compulsivos grandes ou pequenos frequentes. Presença dos episódios por algumas semanas ou meses; 
  2. Come grandes quantidades de alimentos e se sente incapaz de parar ou não tem controle; 
  3. Após consumir impetuosamente a comida, se sente mal, arrependido, com vergonha ou culpa; 
  4. Consumo de alimento rápido e isolado. Pode ocorrer necessidade de ficar sozinha para poder comer sem julgamento.

Sabendo agora as diferenças entre Compulsão Alimentar e Comer Emocional fica mais fácil descobrir o gatilho e buscar apoio.

Confira: Tratamento – Compulsão Alimentar 

Bom relacionamento com as emoções e a comida Foto: Freepik
Bom relacionamento com as emoções e a comida Foto: Freepik

O que eles têm em comum? 

A compulsão alimentar e comer emocional possuem como elo comum a falta de manejo emocional. Ou seja, os pacientes não sabem lidar com certas emoções. E, em algum momento da vida aprenderam a comida como recurso para tentar administrá-las.

Desta forma, buscam escapar de qualquer sofrimento e ou emoções incômodas colocando a comida como fonte de alívio e conforto. 

Quando Buscar Tratamento para Compulsão Alimentar e Comer Emocional?

Quando você sente que está com dificuldades para regular a relação com a alimentação e isso causa sofrimento.

Cada pessoa encontrará seu momento e razão para buscar tratamento. É válido avaliar desde quando vem apresentando os sintomas percebidos e qual tem sido sua forma de lidar com eles.

Tanto quadros de Fome Emocional, quanto quadros de Compulsão Alimentar necessitam Tratamento especializado. Isso porque os sintomas não diminuem sozinhos.

Além disso, é muito pesado e cansativo ter a sensação de ter que resolver problemas tão complexos sem nenhum direcionamento.

O tratamento é um grande aliado na redução dos episódios.

Então você pode buscar tratamento ao perceber que está exagerando na comida que consome e que isso está ocupando muito espaço na sua vida e nos seus pensamentos.

Também se há frequência em episódios compulsivos, sensação de perda de controle diante da alimentação. 

Se a cada dia você faz um plano e de repente se vê refém dos momentos de descontrole, o tratamento vai te beneficiar.

Concluindo, se você sofre por comer demasiadamente, percebe que come muito mais que a necessidade física, apresenta dificuldade de controle e recorre a comida quando não está bem emocionalmente chegou o momento de buscar ajuda especializada.

Tratamento para Compulsão Alimentar e Comer Emocional Foto: Freepik
Tratamento para Compulsão Alimentar e Comer Emocional Foto: Freepik

Como o Tratamento Pode Ajudar a Compulsão Alimentar e Comer Emocional?

As opções de tratamento para compulsão alimentar e comer emocional são muito semelhantes. Como existe conexão entre eles, embora tenham origem e prognóstico diferentes, o tratamento especializado para estes casos seguirá a mesma linha, com especificidades de acordo com o caso. 

Logo, o tratamento pode ser multidisciplinar, incluindo acompanhamento nutricional especializado ( Nutrição Comportamental) e acompanhamento psicológico especializado. 

Desta forma, se você é diagnosticado com o transtorno de compulsão alimentar ou luta contra o comer emocional, esses tratamentos podem ser valiosos para lhe ajudar a diminuir os sintomas.  

Portanto, você terá como benefício do Tratamento:

  1. Compreender o Funcionamento do CE ou TCA
  2. Entender os Gatilhos que disparam os Episódios
  3. Estratégias de Consciência ao Comer 
  4. Estratégias de Manejo de Ansiedade
  5. Construção de Novo Repertório para Lidar com Emoções
  6. Aprender como evitar novos episódios
  7. Conhecer Fatores que Aumentam os Episódios
  8. Reduzir os Sintomas de cada quadro
  9. Melhorar a Relação com a Alimentação
  10. Diminuir Pensamentos Excessivos sobre Comida 
  11. Melhora na Auto estima

São muitos benefícios do tratamento de Compulsão Alimentar e Comer Emocional!

Então, se você tem passado por momentos difíceis na sua relação com a sua alimentação, o tratamento especializado é o caminho mais eficaz para te auxiliar na recuperação do equilíbrio.

Conheça a Psicóloga Fabíola Luciano

YouTube Psicóloga Fabíola Luciano

Psicóloga Fabíola Luciano – CRP 104468

Especialista pela Universidade de São Paulo – USP 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Recentes

São Paulo, 23 de março de 2023, por Psicóloga Fabíola – Diferentes eventos, situações, hábitos, pessoas, memórias, áreas da vida

Ansiedade na Quarentena. Entenda o que é, Porque ela tende a aumentar, Como reconhecer os Sintomas e Dicas para Diminuir

Será que há alguma maneira em como saber se tenho TOC? Muitas vezes, podemos associar o TOC a comportamentos rotineiros,