TOC Sexual

TOC Sexual: Entenda o que é o TOC Sexual, Sintomas e Como Funciona o Tratamento.

O que é TOC?

TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) é um transtorno psicológico que tem como principal característica a presença de pensamentos e ações obsessivas e compulsivas. O TOC é um  Transtorno de Ansiedade.

As obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos indesejados que invadem a cabeça da pessoa sem que ela queira ou tenha controle sobre isso. Como consequência, o paciente é tomado por sentimentos de preocupação, culpa, angústia ou medo.

Na tentativa de se livrar de tais pensamentos obsessivos, as pessoas com o problema desenvolvem um comportamento compulsivo, chamado de ritual. Os rituais são atos físicos ou mentais que seguem regras rígidas na busca de aliviar a ansiedade causada e afastar ameaças.

toc-ciclo-psicologo-especialista.

Quem tem a doença passa a ser uma pessoa sistemática, por exemplo preocupando-se em excesso com a limpeza do ambiente ou higiene pessoal, muitas vezes lavando as mãos ou tomando banho diversas vezes. Os movimentos de repetição e checagem, além da mania de contagem são características muito notadas.

Quem tem Transtorno Obsessivo Compulsivo  também pode acumular objetos sem valor e utilidade de maneira compulsiva, além disso, muitos dos pacientes com o problema apresentam medos excessivos e costumam ter a mente invadida por pensamentos impróprios, agressivos ou trágicos. As características e sintomas do TOC vão variar de acordo com a categoria em que ele se encaixa.

Os pensamentos de cunho sexual também podem surgir com transtorno obsessivo compulsivo. Tais pensamentos podem envolver homossexualidade, pedofilia e até a própria família, o que gera uma repulsa muito grande no paciente e, consequentemente, o aumento do medo e dos comportamentos compulsivos.

O que é TOC Sexual?

O TOC Sexual é uma das variáveis do Transtorno Obsessivo Compulsivo e está relacionado à Ansiedade. Ele acontece quando a pessoa passa a ter pensamentos obsessivos de cunho sexual e, por não conseguir controlá-los, desenvolve rituais compulsivos para tentar aliviar o sentimento de culpa e a ansiedade.

A pessoa é tomada por ideias, imagens e pensamentos involuntários e persistentes sobre coisas muitas vezes impróprias. É comum quem possui Transtorno Obsessivo Compulsivo Sexual pensar, com temor, em temas como infidelidade, pedofilia, incesto, abuso sexual, comportamento sexual violento, homossexualidade, pensamentos sexuais com amigos, estupro, entre outros.

Assim como os outros tipos de TOCs, o portador do TOC Sexual acaba desenvolvendo um comportamento compulsivo para lidar com seus pensamentos. Ou seja, em geral, a pessoa sente que precisa fazer alguma coisa para que os pensamentos diminuam ou não se tornem realidade.

toc-sexual-especialista

Quando o sofrimento é muito intenso a pessoa pode deixar de frequentar lugares ou evitar contato e situações que podem ser associados ao problema.

Também é comum o paciente desenvolver outros comportamentos e rituais compulsivos que envolvem repetição, contagem, acúmulo, necessidade de ordem, oração ou qualquer comportamento que reduza a ansiedade.

Sintomas TOC Sexual

Os sintomas de quem tem TOC Sexual podem ser divididos em dois: os obsessivos e os compulsivos. Os que dizem respeito à compulsão geram uma mudança de comportamento e, no geral, se manifestam de forma semelhante em pessoas que possuem outros tipos de transtorno obsessivo compulsivo.

Já os sintomas relacionados à obsessão, por serem ligados a alterações de pensamentos, costumam ser bastante específicos. Confira alguns deles:

Sintomas Obsessivos

  • Pensamentos de Pedofilia
  • Pensamentos de Atração por membros da própria família.transtorno-de-ansiedade-especialista-tratamento.
  • Pensamentos Incestuosos.
  • Pensamentos de Atração por pessoas do mesmo sexo
  • Pensamentos sexuais sobre amigos
  • Pensamentos sexuais relacionados à infidelidade
  • Pensamentos sobre tocar uma criança de forma inadequada
  • Pensamentos sobre abuso sexual, agressão e violência
  • Pensamentos sexuais sobre Estuprar ou ser Estuprado
  • Pensamentos sexuais sobre Deus, santos ou figuras religiosas
  • Pensamentos Sexuais inadequados

Sintomas Compulsivos

  • Evita frequentar determinados lugares
  • Evita o contato com determinadas pessoas
  • Realiza rituais como repetições, contagens, verificações, etc
  • Mania de ordem, simetria, sequência ou alinhamento
  • Orações
  • Aflição e medo constante
  • Sentimento de culpa
  • Lentidão para realizar tarefas
  • Comportamento indeciso
  • Tudo que a pessoa faça com o intuito de diminuir os pensamentos ou fazer com que eles não aconteçam.

O importante aqui é que qualquer que seja o comportamento, ele faz parte de um ritual de neutralização da angústia que o pensamento obsessivo gera.

 

Causas TOC Sexual

Apesar de as causas do TOC Sexual não serem bem esclarecidas, existem alguns fatores que podem ser desencadeantes.

A doença pode surgir devido a uma predisposição genética. Ou seja, se parentes de sangue sofrem ou sofreram com o problema ou quaisquer outros transtornos psicológicos (especialmente os de ansiedade), as chances são maiores.

Há ainda indícios de que fatores biológicos, como doenças neurológicas, uso de medicamentos e alterações na comunicação entre algumas zonas cerebrais, podem acarretar na doença.

Fatores ambientais relacionados ao histórico de vida, vivências que tenham relação com sexualidade, rotina, estresse, relação familiar, relações amorosas e até mesmo traumas também podem causar o TOC Sexual.

psicologo especialista transtorno obsessivo compulsivo - Psicóloga Fabíola Luciano

Quem pode Desenvolver TOC Sexual

O Transtorno Obsessivo Compulsivo, no geral, pode aparecer em todas as idades, sendo que os picos de incidência estão entre crianças de período escolar e jovens adultos, na faixa etária dos 18 e 20 anos.

Nessa fase, o problema tende a se manifestar mais no sexo masculino, mas não deixa de aparecer em mulheres também. Ambos os gêneros são afetados pela doença.

Isso, entretanto, não significa que pessoas com uma maior faixa etária não possam desenvolver o problema.

Pessoas que tem familiares de primeiro grau com TOC ou outros transtornos psicológicos tem mais chances de desenvolver a doença.

O TOC Sexual também pode aparecer após conflitos conjugais, divórcios, problemas familiares, no âmbito social, ou após algum fator desencadeante de cunho sexual, ou não.

 

Como saber se tenho TOC ou se meus Pensamentos são Verdadeiros?

Uma das maiores angústias de quem tem TOC Sexual é o fato de não saber se os pensamentos imorais e impróprios são verdadeiros ou consequência do TOC Sexual. Desta forma, o paciente experimenta muita angustia. E é justamente por conta dessa confusão que a pessoa acaba adotando um comportamento compulsivo, realizando rituais para tentar aliviar a ansiedade e a culpa.

Assim, o fato de a pessoa sentir tal culpa e adotar um comportamento compulsivo para se livrar dela já mostra que, na verdade, o pensamento não é verdadeiro e sim fruto do Transtorno Obsessivo Compulsivo Sexual.

como-saber-se-tenho-toc

Quem sofre com o problema tem a preocupação com o fato de que pensamentos de origem sexual proibidos ou ilegais possam um dia levá-los a agir de acordo com esses desejos, seja sobre pedofilia, violência sexual, incesto, homossexualidade, ou qualquer outro.

A principal diferença psicológica é que uma pessoa com TOC Sexual achará tais pensamentos obsessivos inconcebíveis. Isso faz com que o paciente com o Transtorno se sinta repelido pelas suas próprias ideias.

Portanto, é importante esclarecer que o TOC Sexual nada tem a ver com fantasias sexuais. As fantasias tendem a ser, para a pessoa que as vive, prazerosas e sem culpa.

Já as obsessões sexuais causadas pelo transtorno são indesejadas, causam angústia, vergonha e um sentimento de aversão/repulsa.

Além disso, dificilmente a pessoa acometida pelo TOC se sentirá de fato atraída e excitada devido a tais pensamentos. Sendo assim, ela utiliza seus mecanismos de defesa evitando situações ligada a essas ideias.

 

Nível de Sofrimento do Paciente com TOC sexual

Os pacientes com TOC, no geral, sofrem muito com o problema pois vivem ansiosos, angustiados e com medo de seus próprios pensamentos. O fato de não conseguirem controla-los torna a vida com a doença muito mais difícil.

Além de poder causar compulsões incapacitantes, a pessoa acometida pelo TOC Sexual ainda costuma lutar contra suas próprias ideias. O medo de que os pensamentos impróprios sejam verdadeiros gera muita angústia e sentimento de culpa nos pacientes.

Isso pode afetar a sua vida em todos os sentidos, tanto no trabalho quanto no âmbito familiar e social.

pensamentos-obsessivos-tratamento-sp

Impacto na Vida do Paciente

Os pacientes com TOC Sexual podem ter sérios impactos tanto em sua vida social quanto no ambiente familiar. O distúrbio, se não tratado corretamente, pode acarretar em inúmeras limitações.

Isso acontece porque, devido a tantas obsessões quanto às compulsões, os portadores da doença acabam tendo uma quantidade considerável de seu tempo mental ocupado, interferindo nas relações e em diversas esferas da vida.

Além disso, por conta do medo que é desenvolvido devido aos pensamentos impróprios, o indivíduo com TOC, muitas vezes, passa a evitar situações que possam gerar esse medo. Isso faz com que o paciente fique cada vez mais limitado e recluso, já que ele pode diminuir a frequência em locais comuns, para se relacionar ou interagir.

 

TOC tem Cura?

O TOC tem Controle. Controle significa manter os sintomas muito baixos ou inexistentes.

Seu tratamento exige, em alguns casos, acompanhamento multidisciplinar: Psiquiátrico e Psicológico. Quando feito de maneira adequada, o tratamento tem a função de minimizar os sintomas, dando ao paciente a possibilidade de voltar à rotina normalmente e ter uma boa qualidade de vida.

É importante salientar que a pessoa com TOC Sexual pode ter recaídas ou voltar a ter o problema. Portanto, é essencial manter o acompanhamento psicológico para impedir que isso aconteça.

 

[cta id=”4005″ vid=”0″]

 

Tratamento para TOC sexual

O tratamento para o TOC Sexual, geralmente, é multidisciplinar e se baseia em medicamentos prescritos por um psiquiatra somado à psicoterapia com abordagem Comportamental.

Os profissionais mais qualificados para acompanhar o paciente com o problema são os psicólogos e os psiquiatras, que saberão qual conduta adotar de acordo com os sintomas e histórico de cada indivíduo.

 

– Tratamento Medicamentoso – Psiquiatra

O Tratamento Medicamentoso para o TOC Sexual deve ser feito sempre com o acompanhamento de um psiquiatra, que irá prescrever os remédios ideais para tratar de cada caso.

O médico avaliará os sintomas e intensidade deles e a partir disso, decidir que classe de medicamentos terá melhor resultado.

Quando tomados corretamente, tais medicamentos tem uma importante ação para ajudar a reduzir os sintomas do TOC Sexual.

 

– Tratamento Psicológico TOC 

Assim como no tratamento de outros tipos de Transtornos Obsessivo Compulsivos, a psicoterapia se mostra eficaz contra o TOC Sexual. O principal método utilizado é a Terapia Cognitivo Comportamental (TCC).

Ela irá ajudar o paciente a reduzir o comportamento obsessivo e compulsivo mesmo quando não há uma boa resposta dos medicamentos prescritos pelo psiquiatra.

A TCC faz com que o paciente desafie seus medos, por exemplo, fazendo eles se exporem às situações que costumam evitar e prevenindo as respostas e rituais compulsivos.

Além disso, são utilizadas técnicas para a correção de crenças e pensamentos distorcidos que existem e mantem o  TOC Sexual.

Isso é feito através da reestruturação cognitiva. Assim, o paciente irá aprender a controlar a sua ansiedade e diminuir suas obsessões e compulsões, eliminando gradualmente os sintomas.

 

Conheça a Psicóloga Fabíola Luciano

Psicóloga Fabíola Luciano – CRP 104468

Especialista pela Universidade de São Paulo – USP

Respostas de 39

  1. Prezada Dra Fabíola Luciano, meu nome é Gláucia Guerra e sou médica – ginecologista obstetra de Recife. Gostei muito da sua página, muito esclarecedora.

      1. Olá, Boa noite! Meu nome é Sandro e tenho 14 anos. Bom, eu sou acompanhado na Pedopsquiatria por uma Pedopsquiatra. Mas ainda não falei sobre esse assunto com ela, tenho vergonha e medo, mas falarei na próxima consulta custe o que custar. Me sinto tipo um pedófilo, um estrupadot de crianças, mulheres, etc… Mas a verdade é que eu não sou assim, até a minha Psiquiatra já disse que som um menino Humilde é fofo! Venho tendo esse transtorno já desde que comecei seguindo a Cristo, (Eu sigo o Cristianismo), e no Cristianismo isso se chama “TOC Religioso”, mas também posso ter esse TOC Sexual. Não sei se é a mesma coisa ou não, mas agradecia que a Psicóloga me respondesse e me desse dicas de como ligar com esse transtorno. Lembrando que ainda não fui diagnosticado com esse transtorno, com depressão a Psiquiatra enviou um relatório para o escola falando que comecei e ser acompanhado por Sintomatologia ango-depressiva, mas ainda falta falar com ela sobre esse transtorno! Boa noite.

      1. Olá doutora gostaria que me orientasse por favor não sei o que fazer pois pelo que foi descrito sobre o toc sexual pude ver que é o meu problema,pois sou casado tenho 3 filhos estou me isolando de todos inclusive agora estou chorando e não desejo isso para ninguém, pensamentos,de pedófila,pessoas desconhecidas,tenho mania de olhar fixando em partes íntimas de todos ,e acredite até animais,minha esposa,minha mãe já notaram tal comportamento,parece que tem até medo de que eu fique só com filhos e crianças por perto,vejo isso neles ,um dos sintomas é que os meus olhos quer olhar pra uma criança nas partes íntimas ou adulto fica uma briga mental as vezes converso com pessoas sem ao menos olhar pra pessoa pra evitar que eu fique olhando nas partes íntimas pois os meus olhos olha para baixo involutariamente ,tento tento não olhar quando vejo que não consigo viro as costas pra pessoa olho a minha volta pra disfarçar,pessoas no trabalho,e na minha família já notaram esse comportamento o que me causa mais sofrimento,é saber que eles sabem e sabem da maneira pior possível consequentemente não sabem que isso é uma doença, não consigo produzir no trabalho e choro quando estou só fico com raiva de mim mesmo por não conseguir controlar que meu coração acelera e fico trêmulo ,nunca comentei isso pra ninguém,pois tenho receio,Deus sabe o meu coração que jamais faria mal a alguém tô sofrendo de mais acho que estou até com depressão por conta disso me ajuda por favor não aguento mais viver assim tenho 33 anos

    1. tenho 13 anos e acho que tenho esse toc, e é muito horrível pq já tive vários pensamentos sobre isso e já até tentei me matar por causa disso e o sentimento de culpa só aumenta cada vez mais que penso sobre isso, eu queria ir no psicólogico e já até falei pra minha mãe pra eu ir só que ela não deixou e falou um monte de coisa, eu sinto que a qualquer momento vou enlouquecer de vez e não aguento mais

  2. Infelizmente sofro muito com isso começou quando a mais ou menos 2 anos, acho q devido a pandemia, mas n tenho certeza já q começou com o tema religioso e Infelizmente abordou o tema pedofilia, ando com a consciência pesada toda hora, com medo de ter feito algo ilícito, muitas das veses coisas bobas me deixam com medo de ter feito algo errado, já q prezo muito pela minha dignidade, tenho muito medo de fazer tais coisas q me vem a cabeça já deixei de ver meus sobrinhos e sair de casa, me isolando no meu quarto.

    1. Olá João, bom dia!

      O TOC Sexual, na minha experiência é um dos TOCs que mais traz sofrimento. Todos trazem, porém, além da dor da ritualização, dos sintomas, existe toda a vergonha e medo intensos porque este tipo de TOC afeta o senso de identidade.
      Imagino o quanto esteja sendo doloroso passar por isso, sei que o medo é enorme e tende a gerar paralisia ou até quadros de isolamento, conforme seu relato. Apesar disso, é importante dizer que há tratamento! E ele é eficaz, ajuda na compreensão, fornece manejo de sintomas e consequentemente os diminui muito.

      Busque acompanhamento próximo à sua cidade u região, busque alguém que tenha manejo em TOC e em quem você se sinta seguro para dividir seu momento atual.

      Um beijo grande
      Psicóloga Fabiola.

  3. Tenho 27 anos e sempre me senti “suja” por ter esses tipos de pensamentos. Sempre achei que depois que tivesse a minha primeira relação sexual me tornaria automaticamente uma vagabunda porque desde muito nova tive essa questão com imagens que me causavam repulsa e me faziam sentir uma culpa imensa. A vergonha de tais pensamentos é tanta que essa é a primeira vez que estou pesquisando sobre esse comportamento. Ontem tive um episódio e na hora pensei: “tenho isso desde de nova, vou pesquisar porque não é possível que eu seja a única no mundo que tem isso”.
    Obrigada pelo esclarecimento e pela ajuda. Eu já faço acompanhamento para ansiedade, e inclusive faço também acompanhamento com medicação, mas nunca comentei sobre isso nem com a minha psiquiatra nem com a minha psicóloga.
    Ainda tenho vergonha mas acho que vai ser importante para o meu tratamento compartilhar isso com elas.
    Obrigada novamente!

    1. Querida Vitória,
      Obrigada pela sua mensagem e me alegra profundamente ver que aqui você encontrou algum conforto.
      Que bom que você está buscando, que esteja fazendo tratamento.

      O TOC é justamente um transtorno de ansiedade e com a ansiedade aumentada, pode ficar difícil entender o que é verdade dentro de nós e o que é fruto do Transtorno Obsessivo.

      Sei que pode ser bastante constrangedor, esse é um dos grandes impeditivos para as pessoas buscarem tratamento ou dividirem com seus terapeutas, no entanto, é muito importante ter um profissional habilitado para essa escuta e certamente, após dividir se abriram caminhos que hoje podem estar obstruídos.
      O tratamento traz Muito esclarecimento, diminui Muito os sintomas e te ensina a lidar com eles.

      Te desejo muito engrandecimento no seu processo terapêutico.
      Um beijo carinhoso! S2

  4. Lendo esse artigo percebo que me identifico bastante, tenho 16 anos e tenho enfrentado isso desde setembro, não faço ideia do que pode ter me causado isso, só sei que um dia acordei e me deparei com esse problema, isso prejudicou muito minha qualidade de vida, porque eu fico num constante medo e receio, não sou tão alegre quanto antes. Eu sempre fui de criar cenários confortáveis dentro da minha cabeça para fugir da realidade, porém por conta desse problema nem isso consigo mais, não me sinto seguro dentro da minha própria mente, tenho medo de estar pensando em algo legal e minha mente ser invadida por um pensando intrusivo, é como se estivesse tendo uma guerra civil dentro de mim que me destrói aos poucos, mas enfim, eu fico mais tranquilo em saber que não sou o único.

  5. Obrigado Dra, finalmente encontrei uma explicação bem objetiva sobre o assunto.Eu comecei a ter toc de sexualidade com 19 anos, hoje tenho 34, fiquei dos 19 até os 25 anos com toc, Porém comecei a fazer tratamento psicólogo e psiquiátrico na época, consegui me casa e fiquei até meus 32 anos com este problema controlado, mas fui trabalhar em uma empresa que as pessoas me tratavam muito mal. E daí voltou meus problemas, hoje não estou mais casado. Depois que contei a ela tudo que tinha passado e sentia com o toc sexual ela foi perdendo o desejo por mim até que encontrou outra pessoa e me deixou. Voltei a frequentar psicólogo por um tempo mais sai da empresa onde sofria de bullying e o dinheiro não deu para continuar com o tratamento.Hoje estou desempregado e com medo de voltar a trabalhar e sofrer de novo.

  6. Até que enfim descobri o que eu tenho.achei que tava ficando maluca é que eu era a única. Tenho esses pensamentos sim e preciso de ajuda.moro sozinha e tenho vergonha de me relacionar com alguém por causa desses meus gostos incomuns .Preciso de ajuda .

  7. Tive depressão a 2 anos mais de vez enquanto vem esses pensamentos terríveis , na época e hoje também evito pegar criança no colo, tenho medo de ficar sozinho com alguém , sofro muito , sou casado desejo ter filho mas ,tenho medo de fazer algo já pensei em separar por causa disso ,minha esposa é uma ótima pessoa merece alguém que possa ser “normal”, estou fazendo tratamento psicológico por ansiedade mas tenho vergonha de falar sobre isso , deixei de ver amigos , evito sair.

    1. Olá Junior, boa tarde!

      Obrigada por compartilhar o seu relato. Sabemos que a depressão é uma doença que requer tratamento e frequentemente Transtornos Depressivos e Ansiosos estão associados. Que ótimo que você esteja fazendo tratamento psicológico, este é o caminho para uma melhor qualidade de vida!

      Um grande abraço carinhoso com desejo que venham novos lindos capítulos na sua vida.
      Psicóloga Fabiola Luciano

    2. Olá doutora, prazer! Com meus 21 anos tive a minha primeira crise de pânico com pensamentos indesejados que lembravam um “trauma” de infância referente ao famoso troca troca. Sou heterossexual e nunca tive problema quanto a minha sexualidade, porém depois desse episódio, começaram a vir pensamentos intrusos e ruins de culpa e incertezas. Hoje tenho 31 anos e tenho sofrido com angústias referentes a estes pensamentos. Gostaria de saber qual forma de tratamento buscar, com qual profissional. A angústia chega a doer. Por fim, parabéns pela sua página, gostei muito, é esclarecedor.

  8. tenho 13 anos e acho que tenho esse toc, e é muito horrível pq já tive vários pensamentos sobre isso e já até tentei me matar por causa disso e o sentimento de culpa só aumenta cada vez mais que penso sobre isso, eu queria ir no psicólogico e já até falei pra minha mãe pra eu ir só que ela não deixou e falou um monte de coisa, eu sinto que a qualquer momento vou enlouquecer de vez e não aguento mais

  9. Olá Dra Fabíola estou com muito medo disso eu não sei quando desenvolvi esse toc eu sinto muita vergonha e angústia tenho medo de cuidar de crianças tenho medo de estar perto da minha família e sempre quando acontece esse pensamentos eu me sinto muito mal culpada eu fico nervosa não consigo procurar uma psicóloga tenho medo de quem sou isso já aconteceu até dentro da igreja aonde eu estava orando com o meu noivo eu estava com o meu priminho no colo e ele é uma criança tão amada me senti tão triste por ter pensado que não deveria agarrar ele no colo não estava certo q era errado

  10. Muito bem explicado, Dra. Há 4 meses venho passando por este sofrimento, estou em tratamento com psicoterapia e medicação, contudo, ainda está sendo muito difícil lidar. A minha maior esperança é de conseguir chegar em uma fase em que eu lembre dessa época apenas como uma fase difícil que precisei lidar, mas no momento não consigo vislumbrar isso. Desejo muita força de vontade a todos que passam por essa doença.

  11. Dra. Fabíola, que pena que só tive acesso a essas informações tão tarde em minha vida. Praticamente dissecou e radiografou meu problema. Tenho 50 anos, mas passei por esse problema aos 13 anos… posso testemunhar que realmente o sofrimento que vc relata de forma tão esclarecedora é muito doloroso. No meu caso, especificamente esse problema deixou sequelas: esse problema me causou disfunção erétil e praticamente anulou minha libido… acho que isso aconteceu como mecanismo de defesa que minha mente encontrou para cessar as crises de toc sexual, ou seja, “me castrar psicologicamente” foi o meio que minha mente encontrou para se livrar do meu medo de falhar no ato sexual. As crises cessaram a muito tempo, mas não me recuperei do trauma. Tenho me virado com medicamentos para disfunção erétil. Muito obrigado pelos seus esclarecimentos.

    1. Olá Alexandre,
      É muito difícil conviver tanto tempo com uma doença sem sequer saber que ela existe, pelo seu relato imagino o quanto isso tenha impactado em diversos aspectos da sua vida e realmente sinto não tem chego um pouquinho antes na sua história.
      Apesar disso, me alegro por você ter chego até aqui. Recebo muitos pacientes com esta demanda que passaram muito tempo até encontrar tratamento especializado para o TOC, e posso garantir que nunca é tarde.
      Invista no tratamento, tanto para lidar com o TOC Sexual, quanto para lidar com essas consequências que ele deixou.
      Devagar vamos construindo pontes e novos caminhos.

      Mais uma vez, gostaria de te agradecer pela sua mensagem.
      Um grande abraço,
      Psicóloga Fabíola.

  12. Drª Fabíola, bom dia!
    Obrigado pelo artigo. Muito esclarecedor.
    Fui diagnosticado com TOC Sexual há 12 anos e faço acompanhamento psiquiátrico e psicológico.
    A medicação torna a minha vida mais equilibrada, embora os impulsos e pensamentos ainda surjam, mas com menos frequência.
    Dois passos que tomei que foram muito importantes: Assumir a doença e me medicar. Para mim esses dois passos foram o início de uma melhora.
    Fui abusado sexualmente dos 5 aos 8 anos e esse evento desencadeou uma avalanche de sentimentos e descontroles.
    Mas, posso assegurar que tenho uma vida equilibrada, graças ao tratamento constante e ajuda profissional adequada.
    Estou usando o artigo para ajudar outros a entenderem minha situação.
    Muito obrigado e ótimo trabalho!

    1. Olá André,

      Que bacana conhecer a sua história e ver que você seguiu um curso de tratamento tão eficaz!
      É muito inspirador o seu relato, inclusive para pacientes que ainda estão em uma fase inicial de descoberta da doença, pois evidencia como o tratamento especializado leva a uma vida melhor.

      Muito obrigada por compartilhar e parabéns pelo seu engajamento no tratamento.
      Um grande abraço,
      Psicóloga Fabiola.

  13. Eu tenho melhorado tendo consciência do problema e desejando mudar. As vezes quando vou me masturbar eu digo: ”eu vou porque eu quero e não porque minha compulsão deseja” e acredito nisso e quando ela vem novamente, eu digo: ”agora não é hora” e apenas aceito e controlo. Eu estava começando a ter os pensamentos de pedofilia e também com membros da família, mas foi aí que comecei que estava virando uma parafilia terrível. Foi quando comecei a tomar consciência do que estava acontecendo comigo. Sou um jovem bem sucedido, casado, dois filhos, esposa loira linda – comecei a nomear as coisas a minha volta e perceber que não posso me vender ao desejo individual, mas tenho uma parceira que realiza minhas vontades. O amor dela também tem diminuído muito minha ansiedade sexual.

  14. Fabíola sua descrição sobre esse tipo de TOC foi simplesmente brilhante. Não encontrei nenhum material igual, você tem o talento de escrever tudo que precisamos saber. Agradeço pela grande contribuição em minha vida!

  15. olá doutora Fabíola, eu já tive TOC e tratei mas ultimamente venho sofrendo muito, tenho medo de ter feito algo horrível e não lembrar, por exemplo tenho medo de ter abusado e não lembrar e isso me incomoda muito, eu sei que não fiz mas esse medo de ter feito e não lembrar me incomoda muito, isso é TOC também?

    1. Olá Marcos, bom dia!
      Obrigada por compartilhar aqui comigo as suas dificuldades.
      Como você já teve o diagnóstico de TOC vale a pena monitorar, uma vez que o tratamento visa remitir os sintomas, mas não leva a cura. Em outros momentos da vida os sintomas podem voltar a surgir.
      Se você já tem esse caminho, busque um profissional para uma reavaliação dos sintomas e ele poderá acompanhar e direcionar a melhor conduta de acordo com o seu quadro atual.

      Um grande abraço!
      Psicóloga Fabiola.

  16. Boa tarde Dra, eu queria muito entender se isso é toc sexual, estou me sentindo muito mal, eu n tenho coragem de ir a uma consulta, me sinto sujo e sem salvação.

    Eu sempre consumi muita pornografia desde os 8 anos e assistia muito bdsm e essas coisas mais pesadas, e nunca me senti mal ou estranho em relação a isso(pois era tudo encenado e tava todo mundo gostando), acontece que a mais ou menos uns 8 meses eu vi um relato sobre abusos sexuais reais nos sites porno famosos, e isso me deixou extremamente paranoico, eu abruptamente cortei todo o conteúdo que eu assistia, e durante esses 8 meses eu ficava voltando nos sites pra procurar coisas que eu assistia e avaliar pra ficar me testando, eu comecei a me questionar se no fundo eu n tinha acabado desenvolvendo algum desejo obscuro e o mesmo não teria me deixado cego(por exemplo: e se eu vi de fato um crime, mas por inconscientemente gostar eu me fingi de cego?)

    acontece que eu esbarrei em alguns vídeos q me deixaram bem desconfortavel(eu quero acreditar que tudo aquilo eram filmes encenados, mas mesmo assim n admito encenar tais coisas horriveis) e eu comecei a ter um medo extremo de no fundo gostar dessas coisas.

    Acontece que um determinado episódio, as coisas desses filmes me soaram tão nojentas e tão repulsivas, foi algo tão assustador e perversos, q meu coração começou a bater muito rapido, senti dores no estomago e um nervosismo absurdo, um medo muito muito forte de acabar ficando com “tesão” naquela suposta fantasia assustadora, e foi algo tão assustador e minha genital acabou ficando estimulada, enquanto eu me contorcia de desgosto.(nunca senti vontade de me tocar pra algo assim, mas n entendo esse episódio)

    e honestamente, eu fico pensando se eu n seria algum abusador em potencial, pois eu fico voltando nesses episódios e fico me testando, e de 10 testes 2 não saem como o esperado, e isso me deixa muito muito confuso e assustado, eu queria ajuda pra tentar entender, eu acho que um abusador deveria desaparecer entende? então eu meio que to somando 1+1, eu n sei se é toc, se é vicio em pornografia, se é compulsão sexual, se é algum trauma, ou se eu de fato gosto disso, me sinto mt mt mal

  17. Olá Dra Fabíola, eu queria entender se isso é toc, eu estou me sentindo mt mal e sem salvação

    Eu consumo pornografia desde os 8 anos e pra mim sempre foi como ver filmes, comecei a ver muitas coisas mais pesadas no campo do bdsm, acontece que a uns 8 meses atrás eu vi um relato sobre crimes sexuais reais nos sites porno, e eu fiquei extremamente assustado,(e se o que eu via n fosse filme?), dei inicio a uma paranoia de ficar voltando nos site e procurando por coisas que eu assistia e ficar analisando elas, acontece que eu esbarrei em coisas que me deixaram muito assustado, e eu comecei a pensar(sera q eu já consumi essas coisas?) então eu comecei a ter muito medo de ter desenvolvido algum gosto por essas coisas(mesmo que encenado eu n concordo com fantasiar coisas assim)

    Sempre q eu ia me verificar eu ia com um medo enorme de no fundo ter algum desejo obscuro, acontece que um dia eu esbarrei em um filme porno que aparentemente era apenas uma orgia que parecia não ser nada de mais e eu continuei “analisando” ele, até que eu comecei a prestar atenção nas legendas e no que era dito, e foi como se todas as coisas mais nojentas que existem tivessem se reunido em um só lugar, e conforme as coisas iam piorando eu comecei a ficar com muito muito nojo, meu coração começou a bater muito rapido, eu senti dores na barriga, e eu comecei a ficar com muito medo(e se eu acabar ficando excitado com isso?) eu acabei ficando com “tesão” ao mesmo tempo que eu queria vomitar.

    Eu sou um abusador em potencial? eu acho q essa gente deveria desaparecer da terra, me sinto sem salvação, as vezes penso em morrer por causa desses episóidios, durante esses 8 meses isso aconteceu 2x e 1 pior que a outra, fico pensando se eu n deveria desaparecer tmb.

    1. Olá Jorge, bom dia!

      É realmente muito perturbador tudo que você está vivendo, eu imagino o quanto seja aflitivo, especialmente as emoções ficam muito desreguladas com tudo isso.
      Eu agradeço por compartilhar aqui e tenho sempre muito carinho e respeito por histórias como a sua.
      Para um diagnóstico é preciso uma avaliação aprofundada, que incluem critérios específicos para entender os sintomas.

      Existem pacientes que tem o diagnóstico e outros que mesmo não fechando critérios suficientes para formar diagnóstico, se beneficiam muito do tratamento, pois apresentam alguns sintomas e sofrem com eles.
      Uma possibilidade é buscar um psiquiatra que saiba manejar Transtornos de Ansiedade, e em quem você possa confiar e se abrir.
      Esse pode ser um caminho para iniciar a investigação diagnóstica e a partir dai trilhar uma conduta clínica que envolva, inclusive, tratamento psicológico especializado.

      Um grande abraço com meu mais sincero desejo de que as coisas se organizem.

  18. Doutora Fabíola bom dia eu tenho 42 anos e sofre de diversas patologias toc
    Bodreline Sou um adicto
    Completamente obsessivo e compulso as patologias Que posuo vem progredindo de forma muito rápida atingindo todas as áreas da vida e gostaria de pedir por misericórdia ajuda pois

    Já não sei mais o que fazer

  19. Boa noite Dr.fabiola, muito esclarecedor o artigo publicado e acho também encorajador para pessoas que sofrem de transtornos como o toc e outros transtornos que tanto limita e traz sofrimento para vida do indivíduo, e que bom que existe profissionais qualificados como à Doutora, para dar um norte, uma direção, um alivio para quem tanto sofre com transtornos psicossomaticos como o toc e que o soberano Deus possa capacitar e levantar mais profissionais da área da saúde mental e emocional como à Doutora.
    Deus continue abençoando e capacitando muito à Doutora e um forte abraço…

  20. Tenho tido esses últimos meses pensantes indesejados relacionados á homossexualidade, sempre fui um homem hetero, que sempre sentiu atração por mulheres, mas de repente meu cérebro fica criando essa dúvida constante na minha cabeça, é torturante, mesmo eu não me sentindo atraído por homens o meu cérebro insiste em questionar sobre isso, me trazendo uma angústia, aflição e insegurança imensa. Não aguento mais isso.

  21. Olá tenho 13 anos me chamo João Victor eu tenho isso aí faz um tempo acho que mais de 1 ano já no começo eu não me importava achava que era só pensamentos normais aí depois começou a ficar sério todo dia tenho isso isso é horrível agora mesmo que dígito isso começa a aparecer coisa errada na mente eu já chorei por causa disso eu não sei mais oque fazer, eu já tentei dizer que tinha isso indiretamente com meus amigos por sorte não fui zoado nem nada eles falaram que também tinha algo parecido com isso, esses dias descobri que isso é toc por que antes eu achava que eu era uma pessoa anormal e isso que me fazia ficar louco eu queria ser alguém normal, eu já tentei falar sobre isso indiretamente com minha mãe também ela falou que de vez em quando é normal mas não é de vez enquando isso já virou normal na minha vida e isso que é o pior isso é horrível, eu tenho medo de falar isso prós meus pais, minha irmã ela conhece sobre esses assuntos eu vou ver se consigo falar com ela sobre isso porque eu não aguento mais isso isso destrói a vida de alguém, ainda mais eu que sou jovem, eu não desejo isso nem pro meu pior inimigo, pra você que está lendo isso desejo toda recuperação, eu vou ver se meus pais deixam eu começar num psicólogo eu quero me livrar disso logo isso é horrível isso destrói a vida de uma pessoa, bom, pelo menos consegui desabafar, era oque eu mais queria.

  22. O meu TOC “desencadeou” com 6 anos de idade, ele começou de certa forma fraco, ninguém nunca teve a consciência de que fosse algo sério.
    E bem, hoje tenho 17 anos, e está em níveis absurdos, estou sendo tratada e medicada, mas esses pensamentos me corroem. São pensamentos envolvendo coisas na qual eu me enojo, agora pouco eu tive um sonho de cunho sexual com um animal, e acordei desesperada, eu detesto isso com todas as minhas forças, eu abomino e me culpo demais. Eu fico discutindo com as vozes na minha cabeça, coisas assim não são do meu feitio, eu tenho vergonha, nojo, angústia e medo de todas essas coisas, principalmente o TOC sexual, na minha opinião ele é o PIOR de todos, pois envolve religião, crianças, pessoas da família, animais e tudo o que não pode. Eu só quero que isso acabe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Recentes

Psicólogo Infantil: Entenda quando e porquê procurar um, além de conhecer os Benefícios do Acompanhamento Psicológico para Crianças.  Como funciona

O que é Transgênero? Transgênero se refere a uma pessoa que não se identifica com o gênero de seu nascimento.

São Paulo, 04 de julho de 2022, por Psicóloga Fabíola Luciano – A Depressão Infantil existe e hoje você saberá