Inteligência Emocional: Entenda o que é a Inteligência Emocional e Baixa Inteligência Emocional, quando procurar Tratamento e como funciona o Tratamento.

O que é Inteligência Emocional?

Por vezes trabalhamos com pessoas que tem um QI (quociente intelectual) alto, que conseguem tomar decisões racionais e rápidas. Mas elas podem ter uma baixa inteligência emocional por ter pouca capacidade de controlar suas próprias emoções e de identificar a dos outros.

E é essa a definição de inteligência emocional: a capacidade de identificar e avaliar as próprias emoções e as emoções alheias, conseguindo trabalhar cada uma delas.

Inteligência Emocional

Essa habilidade de conseguir gerenciar emoções oferece benefícios a todos tanto para a vida pessoal quanto para a profissional.

A capacidade cognitiva de uma pessoa não pode ser mensurada apenas pelo seu QI, ou seja, fatores não intelectuais também influenciam o comportamento de todos. Por isso, é de extrema importância que um indivíduo tenha Inteligência Emocional para haver equilíbrio em sua vida.

Aliada ao raciocínio, essa forma de inteligência tem o poder de harmonizar a convivência através de diversos fatores positivos desencadeados por ela.

De acordo com estudos feitos pelo psicólogo Daniel Goleman, autor do livro “A Inteligência Emocional” e PHD da Universidade de Harvard, 90% da diferença entre indivíduos que conquistam sucesso pessoal e profissional e aqueles com desempenho apenas mediano se deve a fatores relacionados a competências comportamentais – que estão ligados diretamente à Inteligência Emocional.

A Inteligência Emocional (IE) é o resultado do equilíbrio entre o racional e o emocional. Ela engloba algumas habilidades específicas como: autoconhecimento, consciência emocional, empatia, motivação e relacionamentos interpessoais. Com essas competências equilibradas, as pessoas conseguem entender a si próprias e, ao mesmo tempo, são capazes de entender e estabelecer relações com os outros.

A importância da Inteligência Emocional (IE)

Todos que possuem Inteligência Emocional acabam se beneficiando e se destacando em suas ações e projetos. Isso acontece porque essas pessoas têm a capacidade de se relacionar, se comunicar, trabalhar de maneira cooperativa e se adaptar a diversas mudanças e circunstâncias.

O modo como as emoções são gerenciadas – incluindo as emoções dos outros – pode ter um papel importante para determinar o sucesso e a felicidade.

As habilidades sociais e emocionais, em um mundo que exige cada vez mais dinamismo somado ao equilíbrio, é fundamental para o sucesso na vida pessoal ou na carreira.

Uma pessoa emocionalmente inteligente geralmente demonstra mais controle sobre suas atitudes e consegue se manter calma em momentos tensos, além de ter a capacidade de dar a volta por cima em situações adversas.

Em um ambiente de trabalho, por exemplo, o profissional que tem o emocional instável pode ter problemas para desempenhar a sua função, tendo toda sua produtividade prejudicada.

Já o indivíduo que possui uma boa estrutura emocional – que pode ser atribuída à IE – consegue lidar com situações difíceis, se destacar e realizar suas tarefas com perfeição.

A Inteligência Emocional também é importante para a vida pessoal. A pessoa que tem o controle de suas emoções e, ao mesmo tempo, sabe expressá-las, tende a obter sucesso em suas relações.

Nos relacionamentos o lado emocional desempenha um papel de muita importância, já que é preciso lidar com diversas emoções como alegria, tristeza, angústia, raiva, entre outros.

Quem é emocionalmente inteligente consegue reconhecer o problema e identificar o que o despertou, habilidade que gera equilíbrio nas relações.

Quais vantagens de quem tem Inteligência Emocional

Uma pessoa que tem Inteligência Emocional encontra inúmeras vantagens tanto no âmbito pessoal quanto no profissional. Normalmente, o indivíduo com essa característica é autoconfiante, motivado, persistente e tem uma grande capacidade de se controlar e lidar com as mais diversas situações.

Os cinco pilares da Inteligência Emocional – autoconsciência, autorregulação, automotivação, empatia e habilidades sociais – formam um conjunto de habilidades que podem fazem bem em todas as esferas da vida.

No ambiente de trabalho, por exemplo, o profissional com tais características tem uma maior capacidade de liderança e comunicação, sendo altamente capacitado a tomar decisões e alcançando um alto nível de desempenho.

Na vida pessoal, saber lidar com as emoções pode ajudar a reduzir a ansiedade. Além disso, pode dar a capacidade para uma análise racional de determinados sentimentos.

Dessa forma, a pessoa com IE consegue lidar com os problemas de maneira controlada e coerente, o que faz bem para os relacionamentos, sejam eles amorosos, sociais ou familiares.

 Como saber se eu tenho Inteligência Emocional

Nem sempre é fácil saber se uma pessoa tem ou não Inteligência Emocional. Para descobrir, é preciso se atentar a comportamentos, atitudes e pensamentos que podem ser um sinal de que ela existe.

Como já citado anteriormente, o indivíduo que tem IE geralmente possui cinco habilidades essenciais: autoconsciência, autorregulação automotivação, empatia e habilidades sociais.

Isso significa que uma pessoa com Inteligência Emocional é capaz de conhecer suas próprias emoções e analisa-las, tendo consciência de quais ações tomar na resposta aos estímulos.

O controle das emoções também é outra característica positiva. Lidar com as emoções de maneira racional dará o equilíbrio necessário para conseguir lidar com as mais diversas situações. Um indivíduo calmo e otimista consegue encontrar as melhores saídas com facilidade.

Na sequência vem a automotivação que, como o nome já diz, faz com que a pessoa colha bons frutos através de sua motivação. Isso é conquistado através de uma boa saúde mental e boa capacidade de lidar com as próprias emoções.

Outra forte característica de quem tem Inteligência Emocional é capacidade de se conscientizar das emoções do outro, ou seja, ser empático. Isso se soma às habilidades socais, ou seja, saber se relacionar socialmente e criar um ambiente harmonioso e positivo através de uma boa comunicação e relação, seja no trabalho, em casa ou em quaisquer ambientes sociais.

Todas essas características juntas dão a certeza de que uma pessoa tem Inteligência Emocional.

 Quais prejuízos de uma pessoa com baixa Inteligência Emocional

Ao ver as vantagens que a Inteligência Emocional pode trazer para alguém, fica claro que quem não a possui pode ter prejuízos. Ter uma baixa Inteligência Emocional pode ter influência significativa em todo tipo de relação tanto social quanto profissional. As pessoas que carecem dela encontram mais dificuldade para obter sucesso em todos os aspectos da vida.

Nos relacionamentos, por exemplo, a pessoa com baixa Inteligência Emocional acaba por encontrar problemas. O fato de não entenderem os sentimentos das outras pessoas e, ao mesmo tempo, se sentirem incompreendidas acaba fazendo com que se sintam irritadas, o que pode gerar frequentes mal-entendidos e brigas.

Isso acontece justamente porque o indivíduo não consegue expressar suas emoções adequadamente. A falta de empatia dá espaço para conflitos pois quem tem baixa EI não é capaz de interpretar a reação dos outros e, consequentemente, age de forma inapropriada.

Como toda relação é movida por “troca”, dar e receber, escutar o outro e se solidarizar, a pessoa que sofre com a ausência dessas características encontra problemas ao se relacionar.

No trabalho e carreira, a pessoa que não é emocionalmente inteligente também pode encontrar dificuldades, já que é provado que ela tem ligação com a conquista do sucesso ao longo da vida.

Afinal, no trabalho, muitas das atividades realizadas têm a ver com relacionar-se com outras pessoas, sejam elas colegas, clientes, fornecedores ou o chefe. Por isso, aqueles que possuem melhores habilidades de comunicação e relacionamento acabam se sobressaindo em suas interações.

Enquanto os que tem baixa Inteligência Emocional (IE) se estressam com facilidade, se desesperam diante de imprevistos, levam as coisas para o lado pessoal e tendem resolver conflitos através de atitudes impulsivas.

Inteligência Emocional IE

 É possível desenvolver Inteligência Emocional?

Sim. É possível desenvolver Inteligência Emocional. De acordo com pesquisas, existe a possibilidade de reprogramar as respostas e reações de pessoas em relação ao que elas sentem e aos seus pensamentos, consequentemente mudando o comportamento.

Isso pode ser feito com a análise e reestruturação comportamental, de atitudes e de pensamentos. Isso pode ser feito com a ajuda de choaching ou de terapia com um psicólogo.

Esses profissionais possuem a capacidade para fazer o indivíduo desenvolver todas as habilidades necessárias para o aumento da Inteligência Emocional. Eles ajudam na busca pelo controle de emoções negativas, o aumento a autoconfiança, lidar com pressão e o medo de se expressar.

Além disso, é feito um trabalho para que a pessoa desenvolva empatia e respeito pelos demais.

A partir de novos hábitos adotados, a pessoa pode treinar e aprimorar novas formas de pensar e agir diante das adversidades, mudanças e relacionamentos. Assim, a mente e as atitudes são adaptadas para que a relação com os outros e com si mesmo flua com maior facilidade.

Quais processos podem ajudar?

Nem sempre é possível desenvolver inteligência emocional por conta própria. Por isso, existem especialistas no assunto que, através de técnicas, fazem o paciente desenvolver a Inteligência Emocional.

Os profissionais mais indicados para lidar com a questão são os choachs e os psicólogos.

– Coaching

Com o coaching, a pessoa que deseja desenvolver Inteligência Emocional aprende a construir um estilo de vida que crie a possibilidade de manter suas emoções saudáveis e, consequentemente, a faça se sentir motivada e disposta para enfrentar os desafios do dia a dia.

Para isso, a forma como a pessoa gere suas emoções e como ela se relaciona em todos os ambientes é trabalhada, fazendo com que ela se torna alguém mais confiante, motivado e focado

Isso é feito através de exercícios de autoconhecimento, que permitem que a pessoa conheça a sua verdadeira essência e como os fatores externos e seu histórico de vida influenciam no seu comportamento.

Com as ferramentos do Coaching, o indivíduo recupera a confiança em si mesmo e passa a ter mais autoestima. Tais exercícios instigam a pessoa aprender a lidar com as mais diversas situações e com seus principais medos.

Essas atividades auxiliam a pessoa a atingir suas metas pessoais e profissionais através de resoluções de situações que costumam causar desconforto.

Com isso, há uma melhora em sua vida pessoal, na relação familiar, nos relacionamentos (amorosos, amizades, etc) e na vida profissional.

– Terapia

As terapias feitas por psicólogos também são uma forma eficaz de desenvolver a EI (Inteligência Emocional). Os profissionais são capazes de ensinar técnicas e ferramentas para trabalhar a questão, orientando a respeito de quais mudanças devem ser feitas para que o paciente consiga controlar seu comportamento impulsivo, irritado e pessimista e passe a trabalhar para desenvolver a Inteligência Emocional.

Uma técnica que mostra resultados nesse sentido é a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC). Através dela, o indivíduo consegue focar no que ele pensa sobre si mesmo e sobre as situações que o afligem, podendo refletir sobre como isso afeta as suas ações e sentimentos.

A partir disso, alguns padrões de pensamento e comportamento são corrigidos, alcançando o equilíbrio emocional – algo indispensável para aqueles que desejam desenvolver a IE.

O paciente desenvolve habilidades para lidar com seus pensamentos, podendo desenvolver outras competências importantes para uma pessoa com Inteligência Emocional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em contato!