São Paulo, 11 de julho de 2022, por Psicóloga Fabíola Luciano – Paciente com Câncer necessita de apoio psicológico já que receber essa notícia traz inúmeras sensações e vários questionamentos. Por isso, como lidar com esse diagnóstico? Veja aqui!

O Diagnóstico de Câncer

O momento do diagnóstico de Câncer geralmente provoca inúmeras reações emocionais no paciente, sendo vivido com muita ansiedade e angústia. Logo, quando é confirmada a presença da doença, a pessoa sofre um grande impacto.

E começa a fazer questionamentos, comumente associando a doença à morte. Com isso, interfere diretamente em seu equilíbrio mental e no seu bem-estar.

Ao receber o diagnóstico, o indivíduo precisa encontrar maneiras de minimizar as reações negativas que inevitavelmente aparecerão. Desse modo, pode sentir raiva, insegurança, medo e passar a questionar o porquê de aquilo estar acontecendo.

Por isso, a atuação de um psicólogo em conjunto com o médico oncologista se faz fundamental diante da vulnerabilidade do paciente. E, para que haja, principalmente, a aceitação da doença.

Portanto, o profissional pode ajudá-lo a enfrentar o momento de forma lúcida e fazer com que ele consiga iniciar e seguir o tratamento sem perder a qualidade de vida.

Leia também: Depressão

Como Lidar Com o Diagnóstico?

No momento que o diagnóstico é dado, muitos pensamentos passam pela cabeça. Com isso, é tomado pelos mais diversos sentimentos.

E lidar com tais pensamentos e sentimentos nem sempre é fácil. Na maioria dos casos se faz necessário buscar o apoio de um psicólogo.

Com o suporte de um profissional especializado, o paciente conseguirá organizar a ideias e sentimentos confusos. E isso, muitas vezes, podem atrapalhar não só no momento do diagnóstico. Mas também na fase de tratamento da doença.

Para tanto, é importante a conscientização de que sentir medo após o diagnóstico é algo natural. Mas que é fundamental o acompanhamento de um profissional para não deixar que esse medo não se transforme em limitações.

Psicólogo Para Paciente com Câncer Foto: Pexels

Psicólogo Para Paciente com Câncer Foto: Pexels

Como Pode Ficar a Cabeça do Paciente Com Câncer?

Em um primeiro momento, a cabeça do paciente com câncer é tomada por uma variedade de emoções e pensamentos. Assim sendo, a pessoa que recebe o diagnóstico passa por diversas etapas não só físicas, mas também psicológicas.

Comumente, a pessoa com a doença, a princípio, passa por cinco fases emocionais (conhecidas como Modelo de Sofrimento de Kübler-Ross): negação, revolta/raiva, negociação, depressão e aceitação.

Na primeira fase, a Negação, o paciente se recusa a acreditar que está com câncer. Logo, segue buscando acreditar que os exames estão errados, como uma defesa diante do pesado diagnóstico.

Após esse período, o indivíduo é tomado por um sentimento de raiva, sentindo-se injustiçado e passando a questionar o porquê de aquilo estar acontecendo com ele. Então, passada essa segunda etapa, o paciente entra na fase de negociação consigo mesmo, com os médicos.

E, muitas vezes, com suas crenças religiosas, estabelecendo pactos e promessas em troca de mais tempo de vida. Após perceber que já não é mais possível negar seu diagnóstico, o paciente entra em um estágio depressivo, sentindo tristeza, melancolia, apatia e sentimentos análogos.

Depois da avalanche de emoções de todas as etapas, a pessoa acometida pelo câncer entra na fase de Aceitação, ou seja, aceita que está com a doença. E, assim, consegue ter esperanças com relação ao tratamento e à cura.

Por que o Diagnóstico é Tão Pesado?

Por ser uma doença com grande estigma social e considerada maligna, o câncer traz a ideia da finitude da vida. Assim sendo, a palavra “câncer”, por si só, já gera medo nas pessoas, pois adquiriu uma conotação de doença incurável e que gera muito sofrimento.

Quando é dado o diagnóstico, tal medo cresce não só pelo fato de o paciente associar a doença à morte. Mas também por se tratar de algo desconhecido.

Por fim, a ideia de perder o controle, a insegurança e o medo podem fazer com que algumas pessoas desenvolvam transtornos como ansiedade ou até mesmo a depressão.

Confira também: Síndrome do Pânico

Como Isso Pode Interferir Na Vida do Paciente com Câncer?

O diagnóstico de um paciente com câncer causa impactos na vida da pessoa em diversos aspectos. Além dos impactos físicos e psicológicos, a doença faz com que o paciente altere sua rotina. Logo, modificando a sua vida e a de todos à sua volta.

Dessa forma, se alteram as perspectivas de futuro. E surge a impossibilidade de dar continuidade momentaneamente em seus projetos. Em muitos casos há a necessidade de faltar no trabalho durante o período de tratamento.

O impacto também é sentido na vida social. Pois, com tantas mudanças de rota a pessoa pode precisar de um tempo para si, ou mudar sua forma de ver suas relações. Pode haver necessidade de aproximação, como também isolamento. Cada pessoa irá enfrentar esse momento de uma maneira.

Ademais, redução da renda para o tratamento e cuidados também pode se tornar um problema para a pessoa que luta contra o câncer.

É possível também passar por um momento de revisão. A pessoa começa a questionar sua forma de viver até aqui e o que é realmente importante.

Psicólogo para Paciente Com Câncer Foto: Pexels

Paciente Com Câncer Foto: Pexels

A Importância do Suporte Psicológico

O apoio psicológico é fundamental para uma pessoa que está lutando contra o câncer. Pois ela pode estar fragilizada não só devido ao diagnóstico, mas também por conta dos tratamentos. Como também das mudanças no corpo e na aparência, que geram impactos na autoestima.

A psicoterapia, analisando o histórico da pessoa, leva a ele um olhar ampliado de si mesmo como ser humano, sem se ater o tempo todo ao tratamento ou à doença em si.

Além disso, o acompanhamento psicológico faz com que a pessoa não se sinta sozinha, podendo compartilhar com o profissional as suas experiências, dores, medos e angústias. Dessa forma, o paciente passa a enfrentar o adoecimento e o tratamento de uma maneira melhor.

E, com a ajuda do profissional, consegue lidar com os medos, a insegurança, a tristeza, passando a ter uma boa adaptação à sua nova condição de vida.

Em função do sofrimento e das mudanças trazidas pelo diagnóstico de câncer, recomenda-se que a família da pessoa acometida pela doença também receba acompanhamento psicológico. Assim, todos estarão aptos para amparar e atravessarem juntos todas as fases do tratamento.

O Psicólogo Na Fase do Tratamento

O suporte psicológico é de extrema importância durante as diferentes fases do tratamento do câncer. Além da dor, o paciente pode apresentar um desequilíbrio emocional, com sentimento de angústia, desamparo, ansiedade, entre outros.

Assim sendo, a quimioterapia e radioterapia podem levar algumas dificuldades para a vida do paciente por serem tratamentos longos. E que, geralmente, possuem muitos efeitos colaterais.

Dessa maneira, tais procedimentos acabam causando impactos psicológicos devido a esses efeitos colaterais, que incluem dores, vômitos, mudanças no corpo, queda de cabelo, entre outros. Também isso afeta diretamente a confiança e autoestima do paciente, que pode se sentir mais desanimado diante do tratamento e da luta contra a doença.

Por isso, os cuidados com a saúde emocional do indivíduo são fundamentais também na fase de tratamento. Portanto, o psicólogo irá prepará-lo para os procedimentos, que podem ser invasivos e dolorosos, reduzindo o nível de sofrimento. Por fim, irá ajudá-lo a lidar com ansiedade e angústia e melhorando sua qualidade de vida durante o período.

Por que o Paciente Com Câncer Precisa Buscar Acompanhamento Nesse Processo?

Todo o processo, desde o diagnóstico até o tratamento, é muito desgastante para o paciente com câncer tanto nas questões físicas quanto nas emocionais. E apesar de cada indivíduo reagir de uma forma durante as etapas, todos sentem a necessidade de apoio.

Para tanto, a família e amigos são fundamentais nesse momento. Porém, é importante o suporte de um profissional para cuidar da saúde emocional da pessoa acometida pela doença.

Com o acompanhamento psicológico o paciente poderá se adaptar melhor às mudanças impostas pelo câncer no âmbito pessoal e profissional. Ademais, será ajudado nas questões do tratamento, que podem gerar dor e estresse.

Logo, o profissional também pode auxiliar o paciente que se encontra com um quadro depressivo ou com sintomas relacionados a parte psicológica.

No geral, o acompanhamento psicológico visa promover uma melhora na qualidade de vida da pessoa. E, assim, fará com que consiga entender suas próprias emoções para gerenciar  todas as questões acerca da doença de maneira mais equilibrada.

 

Conheça a Psicóloga Fabíola Luciano

Psicóloga Fabíola Luciano – CRP 104468
Especialista pela Universidade de São Paulo – USP

Deixe um Comentário