Dicas para lidar com Birra

dicas-birras-psicologa-fabiola

As birras das crianças são muito comuns. Quem nunca viu uma mãe no mercado com seu filho se jogando no chão por querer alguma coisa.

As crianças tem muitas necessidades emocionais e o fato de se manifestarem de forma agressiva diante de negativas pode ser somente uma forma de expressar suas emoções. Além disso, eles ainda estão aprendendo a entender o que é o mundo emocional.

Inclusive, o conceito de birra já vem se transformando muito. Precisamos estar atentos às necessidades que o comportamento da criança pode sinalizar.

Abaixo seguem algumas dicas para com Lidar as “Birras”:

 

1- Mantenha a Calma

É importante manter a calma e evitar reagir com raiva ou descontando suas emoções na criança. Lembre-se de que elas estão aprendendo a lidar com suas emoções e precisam de orientação e apoio.

2- Valide os sentimentos da Criança

Reconheça e valide os sentimentos da criança, mostrando que você entende o que ela está passando. Dizer algo como “Eu entendo que você está chateado porque não pode fazer isso agora” pode ajudar a criança a se sentir compreendida. Ainda que você não possa permitir que ela faça o que quer.

 

3- Ofereça um ambiente seguro

Crie um ambiente seguro e tranquilo para a criança expressar suas emoções. Pode ser útil ter um local específico na casa onde ela possa se acalmar, como um cantinho com almofadas ou um espaço para brincar.

birra-fabiola-luciano

4- Não bata, Jamais!

Bater não resolve o problema! Na verdade piora, porque faz com que a criança se sinta incompreendida e pouco amada.

Pense bem: Se você sabe que não resolve qual seria o objetivo de bater? Esteja atento, pois muitas vezes esse comportamento tem mais a ver com a irritação do adulto do que com uma medida para manejar a situação.

 

5- Escute e faça seu filho se sentir ouvido

Dê à criança a oportunidade de falar sobre o que a está incomodando. Mostre interesse genuíno e ouça atentamente suas preocupações. Fazer perguntas abertas pode ajudar a criança a se expressar melhor.

6- Ensine habilidades de resolução de problemas

À medida que a criança se acalma, ajude-a a identificar soluções alternativas para a situação que a deixou chateada. Incentive-a a pensar em diferentes maneiras de lidar com a frustração e a encontrar soluções positivas para as próximas vezes.

birras

7- Se acalme, Você é o adulto da Situação!

Sabemos que é difícil e muitas vezes irritante para você! Por isso mesmo é que você precisa se acalmar.

A criança pode não saber ainda controlar seus sentimentos e emoções, você sim! Quando seu filho começar a se descontrolar, tenha em mente tudo que precisa ser feito para cuidar da situação e se mantenha focado em suas estratégias. Saber o que fazer ajuda a se acalmar e não piorar a situação.

 

8- Ofereça conforto e carinho

Demonstre apoio emocional, oferecendo um abraço, carinho ou palavras de conforto. O contato físico e o afeto podem ajudar a acalmar a criança e transmitir segurança.

9- Seja um bom modelo de controle emocional

Lembre-se de que as crianças aprendem muito observando o comportamento dos adultos ao seu redor. Portanto, procure ser um modelo de controle emocional, mostrando como lidar com a frustração e o estresse de maneira saudável.

 

birras-psicologa-fabiola

11- Não meça força com a Criança

A intenção é que seu filho aprenda a se controlar e comunicar o que deseja, sem precisar das birras, não é criar uma estátua que só reage às suas ordens.

Não meça forças com a criança, seja firme quando for necessário, mas aprenda a ceder e incluir a participação dela em tarefas do dia a dia, isso a ajudará a ter autonomia e reforça sua autoestima.

Não dá para falar não para tudo. É preciso flexibilizar, afinal, você tem uma criança.

Se ela quer pegar os brinquedos após você ter acabado de arrumar o quarto, permita, mas oriente quanto a arrumar tudo depois e certifique-se de que foi feito. Aproveite para ensiná-la sobre organização.

 

Podem existir também questões emocionais que geram mudanças de comportamentos nas crianças e podem auemntar este tio de comportamento. Se for necessário agende o acompanhamento psicológico.

Veja neste link como funciona o Atendimento Psicológico para Crianças:

https://psicologafabiola.com.br/atendimento-psicologo-para-criancas/

Fabíola Luciano – CRP 104468
Psicóloga especialista pela USP.

9 respostas

  1. Nunca esqueça de apontar os bons comportamentos do seu filho, mesmo os mais simples, quando mais favoravel for a atenção que ele recebe por um comportamento deseja, maior a probabilidade de faze-lo novamente. A crianças precisa ver e ouvir que esta tudo bem comete algunas erros as vezes.

  2. Muito obrigada Dr. Fabíola, pelo artigo, muito bom!
    Realmente são passos dos quais temos algum conhecimento, porém, a sua prática tem sido muito difícil devido ao stress e a correria do dia.
    Obrigada por, trazer de volta. Procurarei aplicar e trabalhar mais a paciência.
    Deus abençoe ??

    1. Que gentileza Cristina,
      Obrigada por partilhar a sua trajetória aqui.
      Isso mesmo, saber com a cabeça é diferente de aplicar na hora do desafio. Que bom poder retomar contigo temas tão importantes.
      Um beijão e te desejo o melhor no seu caminho com seu pequeno

  3. Meu filho tem 3 anos e sempre dá trabalho quando sai de casa pra começar ele fala poucas palavras mas exemplo quando estamos na casa de alguem e ele que uma coisa se não for do geito dele ele grita ,chora meu marido bate muito nele eu fico com muita dó tento conversar mas ele nem que sabe só grita e chorar não sei mas o que fazer estamos evitando de sai pra não passa por isso e sei que bater não resolve mas ele não cala de geito nenhum oque fazer preciso de ajuda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Recentes

São Paulo, 26 de agosto de 2022, por Psicóloga Fabíola Luciano – O TOC Sexual ocorre tanto em homens como

Cirurgia Bariátrica – O que é a Avaliação Psicológica?, Porque fazer Avaliação Psicológica?, O Reganho de Peso Pós Cirurgia, Laudo

Entenda tudo sobre esse Transtorno de Ansiedade: Agorafobia Sintomas, Quem pode Desenvolver Agorafobia, Fatores de Risco, Nível de Sofrimento ao