Bandeira Transgenero

O que é Transgênero?

Transgênero se refere a uma pessoa que não se identifica com o gênero de seu nascimento. Pessoas transgênero podem passar por alterações em seu padrão estético biológico, justamente porque não se identificam com o gênero de seu nascimento, ou seja, uma menina pode passar por transformações físicas, de vestimenta e hormonais estando fisicamente mais similar ao gênero masculino; já um menino poderá passar pelo mesmo processo de transformação, de forma a se assemelhar ao sexo feminino.

Mas transgênero não é somente uma questão de aparência, muito além desta percepção estética, pessoas trans não se identificam com o sexo biológico e até entenderem esta forma de existir, experimentam um grau de sofrimento muito grande, tendo a sensação de não gostar daquele corpo e/ou de inadequação por ocuparem um espaço que não lhes pertence.

Historicamente a sociedade convive com o conceito de gênero como sendo: Masculino ou Feminino, entendendo, equivocadamente, que a construção de Ser homem ou Ser mulher é baseado nos órgãos genitais. A partir disso a família, amigos e instituições sociais esperam de cada um de nós uma categoria de comportamentos específicas para aquele gênero que nos pertence.

Aqui encontramos uma diferença  importante: Sexo é biológico, gênero é social. Isso quer dizer que o que determina a definição do que é ser homem e o que é ser mulher não é ser XX ou XY e sim a forma como aquela pessoa se percebe e se reconhece.

Transgênero é um transtorno?

Não, absolutamente.

Infelizmente, até 2012 a transexualidade era tratada como um transtorno psiquiátrico, no entanto esta nomenclatura mudou de forma menos patologizante, e apesar de ainda constar no DSM 5 como Disforia de Gênero, o novo Manual de Saúde já retira a transexualidade do rol de transtornos mentais. O enquadramento dos Transgêneros como transtorno mental é categoricamente obsoleto e surgiu de forma leviana como tantos outros na esfera psiquiátrica, que acreditavam por exemplo curar transtornos mentais com choques elétricos em manicômios.

Transgênero. Pessoa trans.

Porque as pessoas escolhem ser transgênero?

Ai é que está. Elas não escolhem!

Pessoas transgênero não determinam isso para si, esta é uma condição intrínseca e apesar dos estudos ainda estarem avançando nesta área, já temos descartado o critério de escolha como motivador deste processo. É diferente de escolher uma roupa hoje e amanhã não querer mais, transgêneros já nascem assim e o tempo só vai aflorar aquilo que já está dentro de seu coração.

Na prática, como é um transgênero?

As pessoas transgênero levam uma vida comum, como a sua ou a minha e vão assumir a postura do gênero que lhes diz respeito (lembrando que é aquele gênero com o qual a pessoa se identifica como sujeito e não o de nascimento). Assim, uma pessoa que nasceu homem e é transgênero vai adotar vestimenta, aparência, nome e comportamentos de uma mulher, pois na prática é como se ter nascido no gênero masculino fosse somente um acidente de percurso, ela é uma mulher! O mesmo para uma pessoa trans que nasceu no sexo feminino, ela irá adotar uma forma de existir pertinente ao sexo masculino, que é a maneira como ela se reconhece.

O fato da pessoa ter mudado de sexo e a sensação de que isso é errado reflete uma dificuldade somente de quem assiste o processo como expetador ( Família, amigos, sociedade em geral) porque para o transgênero este é o momento em que as coisas passam a dar certo. Não há nada errado na mudança, porque afinal não se trata exatamente de uma mudança, mas sim de uma reorganização que devolve tudo ao seu lugar. Imagine você que é homem e acorda num corpo de mulher, tendo que conviver eternamente assim… Parece horrível, não é mesmo? Esta é a sensação que as pessoas transgênero vivenciam por toda vida, por esta razão poder assumir sua identidade de gênero é tão libertador.simbolo-transgenero

 

Como tratar um transexual?

Se você tem algum parente ou pessoa próxima que passou ou está atravessando a questão de identidade de gênero é importante que você saiba como participar deste processo. A adaptação pode ser muito difícil, especialmente para familiares mais próximos, por isso é imprescindível se informar para minimizar possíveis sofrimentos e constrangimentos para ambos.

A pessoa trans deve ser tratada de acordo com o gênero que ela reconhece, portanto, não importa mais se ela nasceu menino ou menina, o que deve ser levado em consideração é dali pra frente. Cuidado para empregar os pronomes corretos, o que parecia muito natural no dia a dia vai precisar de uma atenção especial agora.

Exemplo: Seu primo nasceu João, mas entendeu que é transgênero, então mudou fisicamente e quer ser reconhecida como Maria. Nada de se confundir na hora de se referir a ela… “O João” não existe mais, aliás, provavelmente ele faz parte de um tempo muito sofrido para a Maria. Chame-a de Maria, se refira a ela como mulher, empregue o pronome “A” e tudo que você faria se ela tivesse nascido mulher.

O que fazer quando não consigo aceitar?

Aqui podemos falar do próprio transgênero e também de alguém que tenha um filho, parente ou conhecido passando pelo processo. Vamos por partes:

Para Transgêneros:

Sabemos que o processo de reconhecimento da transexualidade pode gerar sentimentos ambíguos… Um alívio e felicidade intensa por ter finalmente encontrado seu lugar no mundo, ao mesmo tempo que uma tristeza e medo sobre como vai ser e como enfrentar tudo isso.

É importante fortalecer sua estrutura emocional para enfrentar possíveis desafios, seja contar para a família, iniciar o tratamento hormonal ou mesmo lidar com o preconceito. Lembre-se dos motivos que o trouxeram até aqui! Você está experimentando um movimento de redescoberta e somente estando certo(a) destas razões é que tudo valerá a pena.

Para pais, familiares, amigos, etc

Para pais este processo pode ser especialmente doloroso, é natural e compreensível… Vocês criaram um bebezinho que veio com um gênero definido e isso nunca esteve em questão até o agora… Mas, já que as coisas estão diferentes é importante aprender a lidar com esta situação, até porque apesar de todas as incertezas que surgem provavelmente a única certeza seja o afeto que você nutre por essa pessoa tão especial que está passando por um momento novo e seguramente seu apoio será fundamental.

Tendemos a achar que sabemos o que é melhor para a vida daqueles que amamos, por experiência, por saber os riscos que se apresentam, por proteção… Quando amamos, queremos o melhor e aqui será uma boa hora para refletir sobre o que é o melhor… Muitas vezes nosso medo e proteção disfarçam nosso próprio preconceito, nossa própria crítica que diz que é errado agir assim. Talvez você possa revisitar seus próprios valores e este é um primeiro passo para começar a aceitar.

Ser transgênero não é uma escolha, não é uma oposição e independe da vontade da pessoa… Sabe aquela felicidade que a gente tanto deseja a quem quer bem? Você precisa saber que agora ela tomou caminhos diferentes do que você imaginava e você precisará administrar isso… Pode doer, pode levar tempo e empenho, mas este é um trabalho interno que você precisará iniciar e certamente fará muito bem à sua relação com a pessoa trans que você ama!

Se eu aceitar posso incentivar ele(a) a ser transgênero?

Não! Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Como falamos, ser transgênero não é uma escolha, ou seja, você pode aceitar ou repudiar, e ainda assim, sua conduta não irá mudar absolutamente nada no processo da pessoa assumir ser transgênero. O que pode mudar é sua relação com a pessoa, que pode ficar distante ou prejudicada a partir de uma reação de repúdio a longo prazo.

Sexualidade da pessoa Transgênero

Isso gera muito confusão, mas calma… Com o tempo e pensando a respeito você vai entender!

Então se ela nasceu menina e “virou menino”, naturalmente ela agora vai querer namorar meninos, já que é uma mulher, certo? Errado!

O Gênero não está ligado ao desejo sexual…  Identidade de Gênero e Orientação Sexual são coisas distintas. Dá uma olhadinha na figura aqui embaixo pra clarear.

Uma pessoa transgênero pode ser heterossexual, homossexual ou bissexual, isso vai depender do gênero que ela adotou e do gênero com o qual ela se atrai sexualmente.

Vamos Entender: Eu posso ter nascido mulher, mas sou um homem transgênero e me atraio por homens. Então, eu sou um homem Transgênero Homossexual.

 

Nome Social e Nome de Registro

Quando a pessoa está no processo de mudança de identidade de gênero, logo ela inicia o tratamento hormonal e então começa a ficar estranho a fisionomia de uma menina no nome de um menino, por exemplo; o que pode gerar muita vergonha e constrangimento. Para isso existe a possibilidade de mudança do nome de registro para transgênero. Esse processo pode ser orientado por um advogado, que irá lançar mão dos recursos judiciais disponíveis para fazer a alteração do registro civil, mesmo que a pessoa não tenha passado por cirurgia.

Veja aqui o processo de mudança de nome

Tratamento Hormonal em Transgêneros

O tratamento hormonal em Transgêneros deve ser feito sempre acompanhado por médicos especializados em Transgêneros, isso porque o funcionamento é muito específico e não é qualquer médico que saberá manejar a conduta terapêutica. O tratamento deve ser feito com um endocrinologista, que acompanhará todo o processo, investigando os níveis hormonais e prescrevendo a medicação adequada.

Cirurgia para Transgêneros e Protocolo Transexualizador

As cirurgias são as fases finais do processo e podem ser feitas cirurgias de mudança de sexo, de retirada da mama e retirada do útero em caso de mulheres. O processo da cirurgia começa muito antes de pensar em operar efetivamente, pois esse direito somente será validado caso seja efetivamente provado que você é transexual.

Você pode se perguntar, porque preciso provar isso? Isso acontece porque nos manuais clínicos de transtornos de saúde, ainda consta o Transgênero ( Apesar de ter sido modificado o enquadramento) por isso é necessário que haja acompanhamento psicológico por 02 anos para que o Psicólogo ateste a Transexualidade.

Para a cirurgia são necessários os seguintes laudos:

  1. Acompanhamento Psicológico por 02 anos
  2. Avaliação com Psiquiatra para descartar transtornos mentais
  3. Acompanhamento com Endocrinologista que tenha direcionado o tratamento hormonal

Aqui temos o Protocolo Transexualizador, que foi criado pelo Ministério da Saúde em 2008 para ajudar a orientar estas questões.

Veja aqui o Protocolo mencionado acima

O tratamento Psicológico para Transgêneros

O Tratamento Psicológico para Transgênero é de fundamental importância, não somente pela sua implicação para a realização da cirurgia, mas também pela estrutura emocional que o acompanhamento fornece. Cabe ressaltar que a intenção do tratamento não é promover qualquer “cura” em relação à transexualidade e sim favorecer o auto conhecimento, fortalecimento e superação às pessoas transgênero.

Muitas mudanças chegam com a assimilação de todo processo de mudança de gênero, assim como muitas situações foram experienciadas antes delas, a terapia é o espaço que permite viver a plenitude do que se é podendo se redescobrir a cada dia; entendendo sua personalidade, suas potencialidades e limitações, bem como de forma geral atua no desenvolvimento de todos os campos da existência da pessoa trans.

Não deixe de procurar acompanhamento psicológico especializado lhe amparar nesta ocasião tão particular que é o processo transexualizador.

Conheça a Psicóloga Fabíola Luciano

Psicóloga Fabíola Luciano – CRP 104468

Psicóloga Colaboradora do IPQ – Instituto de Psiquiatria do HCFMUSP

Especialista em Terapia Cognitiva Comportamental pela USP

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *